Ao romper barreiras entre diferentes paisagens da música, aproximar o tango argentino do forró brasileiro e se apresentar como cantor e instrumentista, além de compositor e arranjador sinfônico, Marcelo Caldi se tornou um dos músicos mais completos de sua geração. É um dos responsáveis pela revitalização da sanfona no cenário contemporâneo, autor do livro “Tem sanfona no choro”, que inclui CD homônimo, lançado em 2012 pelo Instituto Moreira Salles, em parceria com a Funarte (Prêmio Centenário de Luiz Gonzaga), em que resgata um material inédito, as partituras de choros da primeira fase do rei do baião.

Compôs arranjos sinfônicos cantados por Elba Ramalho e interpretados pela Orquestra Petrobras Sinfônica, Orquestra Sinfônica de Barra Mansa e Orquestra Sinfônica do Recife, em homeagem a Luiz Gonzaga.

Nos concertos com a Petrobras Sinfônica e a Sinfônica do Recife, Caldi interpretou peças de Sivuca para sanfona e orquestra, “Rapsódia gonzaguena” e “Concerto sinfônico para Asa branca”. Foi o solista do “Concerto para acordeom, orquestra de cordas e tumbadoras”, de Radamés Gnattali, junto com a Orquestra Sinfônica da Universidade Federal Fluminense, em 2014.

Compôs uma peça sinfônica inédita para Orquestra Petrobras Sinfônica, em homenagem aos 450 anos do Rio de Janeiro, chamada “Alma carioca”, interpretada pela primeira vez na estreia da temporada de 2015, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Com o show Marcelo Caldi Trio, excursionou pelo Brasil e Portugal, mostrando canções de autoria própria, como o forró “Lembrei do Ceará”. A música está no disco “Forró e Choro Vol. 1” (com Fábio Luna), relançando em 2013 pela Mills Records, e indicado ao Prêmio de Música Brasileira 2009 na categoria instrumental. Lançou ainda os discos “Cantado” (MP,B, 2009), “Nesse tempo” (Delira, 2006) e “Intrometidos” (com Alexandre Caldi, independente, 2003).

Em 2013, subiu ao palco ao lado de Gilberto Gil e Orquestra Pro Arte na MIMO, em Ouro Preto e Olinda. Também criou arranjos para Orquestra Jovem Paquetá e uma composição para o Quarteto Radamés Gnattali. Em 2014, compôs arranjos de marchinhas para Orquestra Petrobras Sinfônica e Monobloco e uma homenagem a Dorival Caymmi para Orquestra Sinfônica da Bahia.


Shows
Marcelo Caldi Trio

Ao lado dos amigos de longa data Fábio Luna (voz, bateria e flauta) e Nando Duarte (violão de sete cordas), Marcelo Caldi excursionou por várias cidades do Brasil e Portugal desde 2011, em um show que celebra a alegria da música nordestina e o legado dos principais sanfoneiros do Brasil, Sivuca, Dominguinhos e Luiz Gonzaga, além de composições próprias.

Carioca de nascimento, o músico mostra a influência da sanfona nordestina no choro do Rio de Janeiro. O espetáculo valoriza o suingue característico dos ritmos do sertão, ao mesmo tempo em que destaca o virtuosismo e a interpretação singular de Marcelo Caldi. É o que podemos escutar em peças emblemáticas como “Cada um torce como pode” e “Cabaceira mon amour”, de Sivuca, e “Princesinha no Choro” e “Nilopolitano”, de Dominguinhos.

A intimidade dos músicos no palco e o espírito de liberdade e improviso são resultado de anos de experiência musical em conjunto. Destaque ainda para as autorais de Caldi, como o forró “Lembrei do Ceará” e o choro “Atravessado”.

Entre o espanto e a ternura

Primeira-dama do teatro musical no Brasil e presente nas mais importantes peças do gênero nos últimos 15 anos, Soraya Ravenle assume um desafio inédito na carreira, no novo show “Entre o espanto e a ternura”, em duo com Marcelo Caldi (voz, piano, acordeom e arranjos). É um formato que por si só desnuda cada um dos artistas, em que o risco e a simplicidade prevalecem. Ficam à mostra a delicadeza e a força da voz de Soraya e o virtuosismo e musicalidade de Marcelo no acordeom e no piano, num espetáculo intimista, calcado no detalhe, na poesia do encontro, na simples vontade de estar junto e conversar através da música. No repertório, destaque para a canção popular brasileira e latina, de ontem e hoje, reunindo compositores como Paulo César Pinheiro, Dori Caymmi, Lupicínio Rodrigues, Guerra-Peixe, Silvio Rodriguez, Chico Buarque, além de criações de Marcelo Caldi, entre outros.

em branco

LiberTango

Consolidado em 20 anos de carreira, o LiberTango fez jus ao nome, em reverência às obras de Astor Piazzolla e se permitindo avançar cada vez mais numa proposta contemporânea, rumo a uma linguagem universal do tango. Conforme o crítico Mauro Ferreira, o trio “faz uso dessa liberdade estilística (…) ao explicitar toda a influência exercida pelo ritmo argentino sobre os hermanos da América Latina”.

É formado por Marcelo Caldi (acordeom), pelo seu irmão, Alexandre Caldi (sopros), e pela mãe, Estela Caldi (piano). Lançou o quarto álbum, “Tangos hermanos” (Mills Records) em 2013, em que os irmãos Caldi se assumem pela primeira vez como compositores no grupo, uma inovação incentivada pela mãe.

Nascida na Argentina e radicada no Brasil há 40 anos, Estela é a responsável pela influência do ritmo portenho na formação dos filhos, ambos cariocas. Os outros três CDs são: “LiberTango – a música de Astor Piazzolla” (Delira, 2005), “Cierra tus ojos y escucha” (Delira, 2007) e “Porteño” (Delira, 2010). Em 2016, o grupo se apresentou com dois dos maiores instrumentistas do mundo, Yamandu Costa e Hamilton de Holanda. Até o fim do ano, prepara álbum inédito com a cantora e atriz Soraya Ravenle.

Piano a quatro mãos

Considerado o mais completo dos instrumentos e símbolo da música ocidental, o piano, quando tocado a quatro mãos, amplia ainda mais sua sonoridade, simulando inclusive o som de orquestras. Estela Caldi e Marcelo Caldi, mãe e filho, apresentam um repertório especial nesse formato, um passeio por quatro séculos de história.

“O Quebra-Nozes”, de Tchaikovsky, incluída no repertório, foi tão bem adaptada ao piano que, conforme Marcelo, “parece que os timbres sinfônicos estão presentes o tempo todo”. Outro destaque é a Sonata de Schubert. Estela Caldi explica a escolha: “além de ser quem mais escreveu magistralmente para piano a quatro mãos, a vida é uma antes e outra depois de conhecer e tocar esse compositor”. Destaque ainda para os argentinos Carlos Guastavino, “Romance Del Plata”, e Astor Piazzolla, “Escolaso”.

Arranjos e orquestras
“Conhecia o talento de Marcelo Caldi como instrumentista e arranjador de MPB, e me impressionou seu domínio também da orquestra sinfônica. Sua instrumentação é rica de sonoridades luminosas e contrastes tímbricos, o que revela um grande potencial como compositor de obras sinfônicas.”
(Edino Krieger, maestro e compositor)

As celebrações do centenário de nascimento de Luiz Gonzaga em 2012 fizeram o Brasil conhecer um dos mais promissores talentos da música sinfônica. Naquele ano, Marcelo Caldi criou arranjos para Orquestra Petrobras Sinfônica, Orquestra Sinfônica de Barra Mansa e Orquestra Sinfônica do Recife, em homenagem ao rei do baião. Nos concertos com a Petrobras Sinfônica e a Sinfônica do Recife, o acordeonista interpretou composições de Sivuca para sanfona e orquestra, “Rapsódia gonzaguena” e “Concerto sinfônico para Asa branca”.

Caldi compôs uma peça inédita para Orquestra Petrobras Sinfônica, “Alma Carioca”, em homenagem aos 450 anos do Rio de Janeiro, celebrados em 2015. A peça foi executada pela primeira vez na abertura da temporada da Opes, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Em outubro de 2014, foi solista, ao lado da Orquestra Sinfônica da Universidade Federal Fluminense, do “Concerto para acordeom, orquestra de cordas e tumbadoras”, de Radamés Gnattali.

Em 2013, subiu ao palco ao lado de Gilberto Gil e da Orquestra Pro Arte na MIMO, em Ouro Preto e Olinda. Também criou arranjos para Orquestra Jovem Paquetá e uma composição para o Quarteto Radamés Gnattali. Já em 2014, compôs arranjos de marchinhas para Orquestra Petrobras Sinfônica e Monobloco e uma homenagem a Dorival Caymmi para Orquestra Sinfônica da Bahia. No carnaval de 2011, foi o arranjador do bloco Feitiço do Villa, uma formação sinfônica em homenagem a Villa-Lobos, sob regência de Carlos Prazeres.

 Sanfona nas escolas
O sistema educacional carece de ações voltadas à aprendizagem da cultura brasileira e de seu maior patrimônio, a música. A obrigatoriedade do ensino dessa arte nas escolas, sancionada a partir de 2008, oferece uma chave para entrada do nosso cancioneiro em sala de aula. O Projeto Sanfona é Cultura Popular nas Escolas contribui de forma decisiva para permanência desse legado às novas gerações, através da realização de apresentações arte-educativas, com foco na sanfona e nas tradições nordestinas.

Premiado duas vezes consecutivas pelo Programa de Fomento à Cultura Carioca, o Projeto é um incentivo à aprendizagem da música em suas múltiplas dimensões, social, histórica, cultural e geográfica. Entre os temas abordados, destacam-se a história da sanfona no Brasil e no mundo, o funcionamento do instrumento (o que se faz com a mão direita, a mão esquerda e o fole), os pássaros da paisagem sertaneja retratados em canções, os festejos juninos, e muito mais.

Tem Sanfona no Choro

O livro “Tem sanfona no choro” traz um repertório inédito transcrito por Marcelo Caldi: as partituras dos choros compostos por Luiz Gonzaga. É considerado “uma verdadeira preciosidade para os instrumentistas cultores do gênero”, conforme o crítico Severino Francisco, do Correio Braziliense, na reportagem “O sotaque nordestino do choro”, de 02/01/2013. 

A publicação traz uma pesquisa jornalística assinada por Fernando Gasparini, e revela a influência da sanfona nordestina num gênero tipicamente carioca, mostrando o lado virtuosístico, porém pouco conhecido, de Luiz Gonzaga.

Marcelo Caldi atesta que Gonzagão compunha choros para sanfona com a mesma originalidade que Jacob Bettencourt para bandolim e Pixinguinha para flauta. Vencedor do Prêmio Funarte Centenário de Luiz Gonzaga, o livro inclui um CD com 13 faixas, uma seleção das partituras do impresso, gravadas por Marcelo Caldi (acordeom), Fábio Luna (bateria e percussão), Luís Barcelos (bandolim, violão tenor e cavaquinho) e Nando Duarte (violão de sete cordas). Participações especiais de Estela Caldi (piano) e Alexandre Caldi (saxofones, flautas e flautins).

 

Capa-Marép450

2014: Maré cheia, maré baixa (Marcelo Caldi), independente

Tangos Hermano 300

2013: Tangos Hermanos (LiberTango), Mills Records

For all300

2013: BR6 for All (BR6), NuVision & Film

Sanfona no choro300

2012: Tem Sanfona no Choro (Marcelo Caldi), Mills Records

Porteno300

2010: Porteño (LiberTango), Delira

Cantado300

2009: Cantado (Marcelo Caldi), MP,B

Forro e choro300

2009: Forró e Choro (Marcelo Caldi e Fábio Luna), Delira

Cerra tus ojos3001

2008: Cierra tus ojos y escucha (LiberTango), Delira

BR6 Here300

2008: Here to Stay (BR6), Biscoito Fino

Nesste tempo300

2006: Nesse Tempo (Marcelo Caldi), Delira

Libertango Piazzolla300

2005: A Música de Astor Piazzolla (LiberTango), Delira

Br6300

2004: BR6 (BR6), Biscoito Fino

Garganta300

2003: Cantando a História (Garganta Profunda), distribuidora Positivo

Intrometidos300

2003: Intrometidos (Marcelo Caldi e Alexandre Caldi), Independente

 

 

Produção Executiva
Fernando Gasparini
(21) 3596-6228
(21) 9 9930-6228
contato@marcelocaldi.com

Formulário de Contato

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Assunto

Mensagem

Não há shows agendados

Shows passados

04 Dec 2016 Orquestra Sanfônica Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
03 Dec 2016 Orquestra Sanfônica Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
02 Dec 2016 Orquestra Sanfônica Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
24 Nov 2016 LiberTango Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
23 Nov 2016 50 Anos de MPB - A Era dos Festivais Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
15 Nov 2016 Sanfona nas Escolas Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
15 Nov 2016 Baile do Almeidinha Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
13 Nov 2016 Farra dos Brinquedos Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
13 Nov 2016 Farra dos Brinquedos Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
12 Nov 2016 Orquestra de Sopros da ProArte Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
12 Oct 2016 Marcelo Caldi, Zé Renato RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro ( Brasil )
15 Sep 2016 Marcelo Caldi e Kiko Horta Rio de Janeiro
12 Sep 2016 Marcelo Caldi Rio de Janeiro
11 Sep 2016 Farra dos Brinquedos Rio de Janeiro
10 Sep 2016 Farra dos Brinquedos Rio de Janeiro
09 Sep 2016 LiberTango Bom Jesus do Itabapoana
08 Sep 2016 Marcelo Caldi Bom Jesus do Itabapoana
04 Sep 2016 Farra dos Brinquedos Rio de Janeiro
03 Sep 2016 Farra dos Brinquedos Rio de Janeiro
28 Aug 2016 Farra dos Brinquedos Rio de Janeiro
27 Aug 2016 Farra dos Brinquedos Rio de Janeiro
23 Aug 2016 Marcelo Caldi Niterói
21 Aug 2016 Marcelo Caldi e Orquestra Sanfônica Rio de Janeiro
21 Aug 2016 Farra dos Brinquedos Rio de Janeiro
20 Aug 2016 Marcelo Caldi Rio de Janeiro
19 Aug 2016 Marcelo Caldi e Kiko Horta com Orquestra Pro Arte - part. esp. Geraldo Azevedo Petropolis
18 Aug 2016 Hamilton de Holanda Rio de Janeiro
17 Aug 2016 LiberTango Rio de Janeiro
16 Aug 2016 Hamilton de Holanda - Trio Mundo São Paulo
15 Aug 2016 Alfredo Del-Penho Rio de Janeiro
11 Aug 2016 Marcelo Caldi Rio de Janeiro
23 Jul 2016 Marcelo Caldi e Edu Krieger Vassouras - RJ
22 Jul 2016 LiberTango Vassouras - RJ
16 Jul 2016 Baile do Almeidinha - com Hamilton de Holanda Amarante - Portugal
10 Jul 2016 Hamilton de Holanda, Guto Wirtti e Marcelo Caldi Montreux - Suíça
10 Jul 2016 Baile do Almeidinha - com Hamilton de Holanda Porquerolles - França
08 Jul 2016 Hamilton de Holanda, Guto Wirtti e Marcelo Caldi Roma - Itália
02 Jul 2016 Áurea Martins, Luiza Dionizio e Marina Íris Rio de Janeiro - RJ
01 Jul 2016 Áurea Martins, Luiza Dionizio e Marina Íris Rio de Janeiro - RJ
30 Jun 2016 Zé Renato, Marcelo Caldi e outros artistas Brasília - DF
25 Jun 2016 Marcelo Caldi Rio de Janeiro - RJ
22 Jun 2016 Marcelo Caldi e Soraya Ravenle Rio de Janeiro - RJ
18 Jun 2016 com Moraes Moreira Florianópolis - SC

 

Profile

By breaking the barriers between different landscapes of music, bringing the Argentine Tango and the Brazilian forró closer together and performing as a singer and instrumentalist, besides being a composer and arranger for symphonic music, Marcelo Caldi has become one of the most brilliant and accomplished musicians of his generation. He has contributed greatly to the resurgence of the accordion in the contemporary music scene in Brazil, and is the author of the book “Tem Sanfona no Choro” (There is accordion in the Choro), which includes a homonym album. Released in 2012 by Moreira Salles Institute in partnership with Funarte (Luiz Gonzaga Centenary Award), the book recovers an unpublished material: the music sheets of the choros from Luiz Gonzaga’s early work.

Marcelo has toured with the show “Marcelo Caldi Trio” through Brazil and Portugal, performing original songs such as the forró “Lembrei do Ceará”. The song is part of the album “Forró e Choro Vol. 1” (in partnership with Fabio Luna), relaunched in 2013 by Mills Records, and nominated to the 2009 Brazilian Music Award in the instrumental category. Other titles include “Cantado” (MP,B, 2009), “Nesse tempo” (Delira, 2006) and “Intrometidos” (with Alexandre Caldi, Independent, 2003).

The musician has also arranged songs performed by the Petrobras Symphonic Orchestra, the Barra Mansa Symphonic Orchestra and the Recife Symphonic Orchestra (the last two had renowed singer Elba Ramalho participation as a special guest), in honor to Luiz Gonzaga. In the concerts alongside Petrobras Symphonic Orchestra and Recife Symphonic Orchestra, Caldi performed Sivuca’s songs to accordion and orchestra: “Rapsódia gonzaguena” and “Concerto sinfônico para Asa branca”.

In 2013, Caldi shared the stage with Gilberto Gil and Pro Arte Orchestra at MIMO Festival, performing in Ouro Preto e Olinda. He also wrote arrangements for the Young Orchestra of Paquetá and composed a song for the Radamés Gnattali Quartet. In the same year, he wrote marchinha arrangements for the Petrobras Symphonic Orchestra and the group Monobloco, in addition to composing a tribute to Dorival Caymmi for the Bahia Symphonic Orchestra. In October of 2014, Marcelo was the soloist of Radamés Gnattali’s “Concerto para acordeom, orquestra de cordas e tumbadoras”, performed alongside the Federal University of Fluminense Symphonic Orchestra.

 

Shows:

Sertão Portenho

Marcelo Caldi’s new show, Sertão Portenho, brings together the universes of Argentine tango and Brazilian northeastern rhythms. Original arrangements assemble in the same song the dense introduction of “Bandoneón”, by Astor Piazzolla, and the lamento sertanejo “Asa Branca”, by Luiz Gonzaga and Humberto Teixeira. The concert reveals more of the instrumentalist’s original songs, like the tangos-choros “Valéria” and “Léo” (dedicated to his siblings), the baião-jazz “Baião da Bebel” (for his wife) and the forró-jazz “Forró da Olívia” (for his niece).

In this format, Caldi uncovers a singular translation for the multiple influences that built his musical career. Tango and baião, for example, are more similar than it is usually assumed: both have African origins and are expressed through bellow instruments – the bandoneon in Argentina and the accordion in Brazil. The repertoire favors songs by Dominguinhos and Carlos Gardel and instrumental pieces by Sivuca and Luiz Gonzaga, among others.

 

Marcelo Caldi Trio

Together with his long-term friends Fábio Luna (vocals, drums and flute) and Nando Duarte (seven-string guitar), Marcelo Caldi has travelled through several cities of Brazil and Portugal since 2011 with a show that celebrates the joy of northeastern music (Música Nordestina) and the legacy of Brazil’s most important accordionists: Sivuca, Dominguinhos e Luiz Gonzaga.

Born in Rio de Janeiro, the musician showcases the influence of the northeastern accordion in the Choro music. The concert exalts the characteristic beat of northeastern music, emphasizing, at the same time, the virtuosity and the singular interpretation of Marcelo Caldi. These traits become clear in emblematic songs like “Cada um torce como pode” and “Cabaceira mon amour”, by Sivuca, and “Princesinha no Choro” and “Nilopolitano”, by Dominguinhos.

The intimacy revealed by the musicians while playing and the freedom to improvise are the results of years of playing together. Other highlights are Caldi’s original songs such as the forró “Lembrei do Ceará” and the Choro “Atravessado”.

 

Soraya Ravenle

The first lady of musical theater in Brazil and part of the cast of the most important productions of the genre in the last 15 years, Soraya Ravenle accepted a new challenge in her career, invited by instrumentalist and composer Marcelo Caldi. The singer, ballerina and actress shows the softness and strength of her voice in an intimate show, accompanied only by the piano or the accordion. Together, Soraya Ravenle and Marcelo Caldi lead us in a journey through the songs of popular Brazilian and Latin music, uniting composers like Paulo César Pinheiro, Dori Caymmi, Lupicínio Rodrigues, Silvio Rodriguez, Chico Buarque, among others. The show presents innovative versions and bold arrangements by Marcelo Caldi, providing a contemporary and Latin seasoning to the repertoire.

 

LiberTango

With a 17-year career, the well-established group Libertango honors their name, a reference to Astor Piazzolla’s work, and increasingly evolves into a contemporary proposal, towards a universal language of tango. According to music critic Mauro Ferreira, the trio “employs a freedom of styles (…) in making explicit all the influence exerted by the Argentinian rhythm over the hermanos (brothers) from Latin America”.

Formed by Marcelo Caldi (accordion), his brother, Alexandre Caldi (brass instruments), and their mother, Estela Caldi (piano). Recently released their fourth album, “Tangos hermanos” (Mills Records, 2013), in which the Caldi brothers signed as composers for the first time, an innovation encouraged by their mother.

Born in Argentina and rooted in Brazil for 40 years, Estela is responsible for the Argentinian influence in her sons’ musical education, both born in Rio de Janeiro. The group’s other albums are “LiberTango – a música de Astor Piazzolla” (Delira, 2005), “Cierra tus ojos y escucha” (Delira, 2007) and “Porteño” (Delira, 2010).

 

Four hands piano

Considered the most complete instrument and the symbol of western music, the piano, when played by four hands, enhances the musical possibilities in such a way that allows the players to simulate the sound of an orchestra. Estela Caldi and Marcelo Caldi, mother and son, present a special repertoire for this particular style, a journey through four centuries of musical history.

“The Nutcraker”, from Tchaikovsky, is part of this repertoire and was so perfectly adapted for the piano that, according to Marcelo: “it seems like the symphonic timbres are present throughout the whole song”. Another highlight is Schubert’s Sonata. Estela Caldi explains that this song had to be included because “not only Schubert was the one that composed most brilliantly for four hands piano, life is something else after one gets to know and play this composer”. Other highlights are the songs of the Argentine composers Carlos Guastavino, “Romance Del Plata”, and Astor Piazzolla’s, “Escolaso”.

 

Arrangements and orchestras

“I knew Marcelo Caldi’s talent as a MPB instrumentalist and arranger, and was impressed with his mastery of the symphonic orchestra. His instrumentation is filled with luminous sounds and timbre contrasts, which reveals a great potential as a symphonic composer.” (Edino Krieger, conductor and composer)

Luiz Gonzaga centennial’s celebrations in 2012 enabled Brazil to get to know one of the most promising talents of symphonic music. That year, Marcelo Caldi wrote the arrangements for the Petrobras Symphonic Orchestra, the Barra Mansa Symphonic Orchestra and the Recife Symphonic Orchestra (the last two had renowed singer Elba Ramalho participation as a special guest), in honor to Luiz Gonzaga. In the concerts alongside Petrobras Symphonic Orchestra and Recife Symphonic Orchestra, Caldi performed Sivuca’s songs for accordion and orchestra: “Rapsódia gonzaguena” and “Concerto sinfônico para Asa branca”.

In 2013, Caldi shared the stage with Gilberto Gil and Pro Arte Orchestra at MIMO Festival, performing in Ouro Preto e Olinda. He also created arrangements for the Young Orchestra of Paquetá and composed a song for the Radamés Gnattali Quartet. In the same year, he wrote Marchinha arrangements for the Petrobras Symphonic Orchestra and the group Monobloco, in addition to composing a tribute to Dorival Caymmi for the Bahia Symphonic Orchestra. Marcelo was responsible for the arrangements of bloco Feitiço da Villa, a symphonic group conducted by Carloz Prazeres that honored Heitor Villa-Lobos, in the 2011 Carnaval.

In October of 2014, Marcelo was the soloist of Radamés Gnattali’s “Concerto para acordeom, orquestra de cordas e tumbadoras”, performed alongside the Federal University of Fluminense Symphonic Orchestra.

 

Accordion in the schools

Brazilian education system is in great need of activities that focus on the Brazilian culture and its greatest patrimony: music. The obligatoriness of musical education in Brazilian schools, valid since 2008, opens the path for the entrance of our songbooks in the classrooms. The project “Sanfona é Cultura Popular nas Escolas” (Accordion is popular culture in schools) contributes decisively to passing on this legacy to the new generations through didactic concerts, that focus on the accordion and northeastern tradition.

Selected twice in a roll by the Program of Incentive of Carioca Culture (an initiative of Rio de Janeiro’s Secretary of Culture), the Project encourages music learning in its multiple dimensions: social, historical, cultural and geographic. Among the subjects addressed are the history of the accordion in Brazil and in the world, how the instrument works (the bellows and the roles of the left and right hands), the birds of the Sertão’s landscape portrayed in songs, the June festivities and a lot more.

 

Tem sanfona no choro

The book “Tem sanfona no choro” (There is accordion in the Choro) brings an unpublished repertoire transcript by Marcelo Caldi: the music sheets of Luiz Gonzaga’s Choros. It is considered “something very precious for the instrumentalists of the genre”, according to the music critic Severino Francisco, from the newspapper Correio Braziliense, in the article “The northeastern accent in the Choro” (02/01/2013).

The title counts with a journalistic research made by Fernando Gasparini, and reveals the influence of the northeastern accordion in a typical carioca genre (the Choro), showing the virtuosity, not very well known, of Luiz Gonzaga.

Marcelo Caldi affirms that Luiz Gonzaga wrote Choro for the accordion with the same originality than Jacob Bettencourt for the mandolim and Pixinguinha for the flute. Winner of the Centennial of Luiz Gonzaga Funarte Award, the book also includes a CD with 13 tracks, a selection of a few of the music sheet transcripts, recorded by Marcelo Caldi (accordion), Fábio Luna (drums and percussion), Luís Barcelos (mandolim, tenor guitar e cavaquinho) and Nando Duarte (seven-string guitar). Special guests: Estela Caldi (piano) and Alexandre Caldi (saxofones, flutes e piccolos).

 

Discography

2014: Maré cheia, maré baixa (Marcelo Caldi), Independent

2013: Tangos Hermanos (LiberTango), Mills Records

2012: Tem Sanfona no Choro (Marcelo Caldi), Mills Records

2010: Porteño (LiberTango), Delira

2009: Cantado (Marcelo Caldi), MP,B

2009: Forró e Choro (Marcelo Caldi e Fábio Luna), Delira

2008: Cierra tus ojos y escucha (LiberTango), Delira

2008: Here to Stay (BR6), Biscoito Fino

2006: Nesse Tempo (Marcelo Caldi), Delira

2005: A Música de Astor Piazzolla (LiberTango), Delira

2004: BR6 (BR6), Biscoito Fino

2003: Intrometidos (Marcelo Caldi e Alexandre Caldi), Independent

2003: Cantando a História (Garganta Profunda), distributor: Positivo